-->

A Medicina Tradicional Chinesa

Como contribui para se sentir em harmonia com natureza e com a vida

A Medicina Tradicional Chinesa

É um conjunto de técnicas que foram desenvolvidas ao longo de anos de pesquisa e observação, usadas com base numa teoria de equilíbrio, opostos e complementares. A observação de si mesmo e do exterior apoiou essa pesquisa e permite a sua aplicação todos os dias.
Existem registos de 4500 anos desta medicina. A observação do ser humano como um todo e integrado num ecossistema que influencia, assim como é influenciado por ele, tanto o diagnóstico como o tratamento têm isto como base e por essa razão os sintomas e a raiz do distúrbio têm a mesma importância. Em momentos diferentes é dada uma importância diferente a cada um deles, mas sempre presente que os sintomas são a expressão da raiz. Mesmo eliminando sintomas, se a raiz se mantiver outros sintomas aparecerão, tal como uma planta enquanto estiver a sua raiz na terra ela brotará de novo. Esta ideia é fundamental para compreender a medicina tradicional chinesa, assim como a ideia da necessidade dum equilíbrio dinâmico para uma vida saudável.

Como é que a Medicina chinesa vê o individuo?

Como um todo, que é influenciado pelo céu e pela terra. Influenciado pelas estrelas e pelas formas e cores que existem na sua casa. Influenciado pelas estações do ano, a alimentação e o tipo de bebidas. As relações no núcleo familiar, as relações interpessoais no emprego. É influenciado pela quantidade, intensidade de luz solar que apanha, pela geografia do sítio em que vive, os hábitos diários de movimento, de pensamento, os hábitos emocionais em que cresceu. Tudo isto, e mais, influência a saúde ou a doença do ser humano e a tudo isto a medicina tradicional chinesa dá atenção.
As formas de diagnóstico são a palpação e observação do pulso, que por si só é bastante complexo, odor corporal, tom de voz, observação da língua, observação do rosto.

Medicina Tradicional Chinesa

Medicina chinesa, a beleza e a inteligência.

De que maneira a medicina chinesa pode ajudar a beleza da mulher?
O que é a beleza feminina? Será a total simetria das feições? Será ser numero 36? Será ser loura de olhos azuis ou morena de olhos verdes? Será ter os olhos amendoados? O clássico cabelo comprido, ou curto de forma inovadora? Será que é ser Alta? Qual é a altura para ser considerada alta? Será que é ser pequena?
Tantas questões que se podem colocar, porque em verdade a beleza é relativa. Ao longo da história percebemos que os padrões de beleza mudam. Num seculo são os espartilhos que nos fazem mais bonitas mas não conseguimos respirar, noutro seculo são os saltos altos que nos fazem elegantes mas nos destroem a coluna. Em alguns momentos da história são as ancas largas que nos fazem o máximo, mas ficamos obesas, mas noutras fases da história da humanidade temos que ser muito magras e ficamos com anorexia. Então vale a pena perguntar o que é a beleza? O que é a beleza feminina? Na minha perspectiva beleza é = a saúde
Brilho, luminosidade, harmonia na forma, elegância, graciosidade, tudo isto acontece num organismo saudável...
A beleza é antes de mais relativa a cada ser humano, a forma como vemos o mundo, as necessidades que carregamos vão definir o que para nós é belo. Esse belo vai alimentar em nós saúde, alegria, força, estimulo positivo, por isso é tão importante que exista na nossa vida espaços que nos inspirem beleza. Tudo começa pelo nosso corpo, é importante gostar de quem vemos refletido no espelho. "A beleza vem de dentro", é um ditado antigo, que subentende que o importante é o cultivo dos nossos valores internos para ser considerado uma pessoa bonita ou de valor. Sendo isto importante, cultivar o caracter, sublimar a personalidade, amadurecer a nossa humanidade. A realidade é que tudo isto está dependente da saúde do organismo. É aqui que esta frase ganha um tamanho diferente, porque efectivamente é necessário que vários constituintes do nosso organismo estejam em equilíbrio para que o pensamento seja adequado. Segundo a medicina chinesa, para que as emoções estejam em equilíbrio os órgãos têm que estar a cumprir as suas funções. A beleza de um corpo humano pode ser vista duma maneira geral pelas formas, o estado da pele, dos cabelos, das unhas. À luz da medicina chinesa, os órgãos internos estão relacionados com os órgãos dos sentidos, com os cabelos e as unhas. Quando há uma disfunção, uma fraqueza num órgão interno tudo o que estiver relacionado com esse órgão fica em fraqueza, distorção. Isto quer dizer que se os cabelos ficam secos, quebradiços, oleosos, é porque o órgão interno que os rege está perturbado. Quando a cintura em vez de estar elegante fica larga e deixamos de caber naquela roupa que adoramos, é porque os órgãos internos que têm como função eliminar as gorduras não o estão a fazer, ou porque estão em fraqueza ou porque a toxicidade está em tal grau que já não há espaço para o órgão cumprir a sua função. Existiu também a ideia em algum momento da história que a beleza não se enquadrava na inteligência, ou seja, uma mulher ou um homem que fosse considerada bonita não seria muito inteligente e aqui colocam-se muitas questões, primeiro a pergunta inicial mantem-se, o que é beleza? E, depois, o que é inteligência? Se nos faz sentido que a beleza se relaciona duma forma directa com o estado de saúde, sendo a inteligência também fruto dum estado de saúde, então a beleza está a par com a inteligência. O que pudemos dizer é talvez que os talentos individuais de cada ser humano são únicos, diferentes de pessoa para pessoa, e que a sua inteligência é direccionada para a execução desses talentos.